Artigos

Saúde em todos os tamanhos: promover a saúde para pessoas de todos os corpos

Pode parecer óbvio que o cuidado que os profissionais e instituições de saúde oferecem para as diferentes pessoas é o mesmo, mas não é. Isso não seria um problema se a questão em pauta fosse a equidade, um dos princípios básicos do Sistema Único da Saúde, que diz oferecer mais atenção para quem precisa de mais nesse momento e vice e versa, mas não desse tipo de diferença que estamos falando.

Imagine que uma pessoa comparece ao médico se queixando de falta de ar e ela não recebe a prescrição de medicações para aliviar seus sintomas, na sequência uma outra pessoa entra na sala, com os mesmos sintomas e com o mesmo médico, e ela recebe prescrição de medicação para aliviar os sintomas. A única diferença entre elas é que uma é uma pessoa com um biótipo gorda e outra com biótipo magra, respectivamente.

Esse dado é de um dos muitos estudos científicos que evidenciam um fenômeno bastante comum na área da saúde: viés de peso (weight bias) que conduzem ao estigma relacionado ao peso (weight stigma), ou estigma da obesidade (obesity stigma). Aqui no Brasil, existe um termo utilizado como sinônimo que é gordofobia médica, descrito inclusive em documentos da Organização Mundial da Saúde.

Foi a partir disso que surgiu o movimento internacional conhecido como Health At Every Size (HAES), ou literalmente, Saúde em Todos os Tamanhos, em português. HAES não é apenas um movimento individual, mas sim um movimento social e político, pois entende que algumas questões estão fora do alcance individual das pessoas (tanto de profissionais quanto de pacientes).

 

Fonte: Jessamyn Stanley, fotografada por Christine Hewitt

 

Existem 4 pontos que são os eixos norteadores de HAES: (1) Reconhecer que a regulação do peso corporal é complexa; (2) Focar em promover saúde e não em alcançar um determinado peso; (3) Promover aceitação do corpo; (4) Reconhecer os vieses acerca do peso e contribuir para quebrá-los.

O cenário, em termos de literatura científica, sugere importantes melhoras na saúde, de maneira integral, para pessoas de todos os pesos utilizando como referencial teórico o HAES.

Enquanto profissionais de saúde, algumas possibilidades de tradução para a prática clínica devem incluir: pensar em ter móveis, ambientes e equipamentos que também sejam confortáveis para pessoas gordas (banco do consultório que suporte pesos maiores, balança que consiga aferir pesos maiores, prédio sem catracas, banheiro com mais espaço, etc.); refletir diariamente sobre intervenções que penso em fazer com  pessoas gordas, por exemplo se “eu faria o mesmo se essa pessoa fosse magra?”; ajudar com que essa pessoa desenvolva uma relação menor de ódio com o seu corpo independente de como ele é hoje, pois é muito mais fácil despender tempo e atenção para cuidados com algo que se gosta do que o contrário; entre outros.

No tratamento em pessoas com transtornos alimentares (TA) abordagens HAES se fazem extremamente necessárias. Se o tratamento do transtorno alimentar tiver como enfoque excessivo o peso existe um risco de se manter a lógica da doença. Alguns exemplos de falas de pessoas com TA, observados na prática clínica, de que do ponto de vista delas muitos tratamentos são conduzidos essencialmente focando no peso:

“Quando eu atingi um peso X tive alta e fui informada que já estava ótima, entretanto hoje eu vejo que embora não tivesse mais aquele peso extremamente baixo, os pensamentos e alguns comportamentos do TA estavam aqui. A sensação era que se isso não impactasse no meu peso, tudo bem, não importa o que eu fizesse”

“Pelo fato de não ser magra o suficiente e nem o meu peso diminuir o suficiente, eu senti que o tom dos profissionais era como se o que eu tivesse não fosse um transtorno alimentar”

“Eu estava incomodada com o meu peso `excessivo`, mas tinha a sensação de que muitas vezes os profissionais estavam mais incomodados do que eu, tentando resolver o meu problema do peso mais rápido do que o próprio TA”.

As abordagens HAES não sugerem que o peso seja ignorado, mas que se gaste um tempo avaliando o quanto nossos esforços não são para melhorar o peso prioritariamente em detrimento de outros aspectos. Muitos transtornos alimentares se baseiam na premissa de controle / modificação do peso corporal mesmo que isso comprometa a sua saúde, inclusive porque popularmente muitos métodos conhecidos para essa finalidade são inclusive não saudáveis. Se os profissionais que cuidam de pessoas com TA também não se atentarem, eles reproduzem o modus operandi da doença.

 

Cezar Vicente Jr.

Nutricionista (2008). Aprimorado em Transtornos Alimentares pelo AMBULIM-HC-FMUSP (2010). Nutricionista colaborador no Grupo de Estudos em Comer Compulsivo e Obesidade (GRECCO – AMBULIM).  Professor do Curso de Aprimoramento em Transtornos Alimentares do AMBULIM (HCFMUSP) desde 2011, especialmente no tema aconselhamento nutricional e abordagens não prescritivas. Experiência clínica em saúde pública e consultório particular. Membro da Society for Nutrition Education and Behavior (SNEB). Autor de capítulos do livro Nutrição Comportamental.

 

 

 

Referências Bibliográficas

Persky S, Eccleston CP. Medical student bias and care recommendations for an obese versus non-obese virtual patient. Int J Obes (Lond). 2011 May;35(5):728-35.

World Health Organization. Weight bias and obesity stigma: considerations for the WHO European Region. 2017. Disponível em <http://www.euro.who.int/en/health-topics/noncommunicable-diseases/obesity/publications/2017/weight-bias-and-obesity-stigma-considerations-for-the-who-european-region-2017>. Acessadoem: 9/9/2019.

 Ulian MD, Aburad L, da Silva Oliveira MS, Poppe ACM, Sabatini F, Perez I, Gualano B, Benatti FB, Pinto AJ, Roble OJ, Vessoni A, de Morais Sato P, Unsain RF, BaezaScagliusi F. Effects of health at every size® interventions on health-related outcomes of people with overweight and obesity: a systematic review. Obes Rev. 2018 Dec;19(12):1659-1666.

Lee JA, Pausé CJ. Stigma in Practice: Barriers to Health for Fat Women.Front Psychol. 2016 Dec 30;7:2063.

Bombak A.Obesity, health at every size, and public health policy.Am J Public Health. 2014 Feb;104(2):e60-7.

Mensinger JL, Calogero RM, Tylka TL. Internalized weight stigma moderates eating behavior outcomes in women with high BMI participating in a healthy living program. Appetite. 2016 Jul 1;102:32-43.

Tylka TL, Annunziato RA, Burgard D, Daníelsdóttir S, Shuman E, Davis C, Calogero RM.The weight-inclusive versus weight-normative approach to health: evaluating the evidence for prioritizing well-being over weight loss.J Obes. 2014;2014:983495.

Daníelsdóttir S, Burgard D, Oliver-Pyatt W. AED Guidelines for Childhood Obesity Prevention Programs. Academy of Eating Disorders; 2009.

Bacon L, Aphramor L.Weight science: evaluating the evidence for a paradigm shift.Nutr J. 2011 Jan 24;10:9.

Mitrofan O, Petkova H, Janssens A, Kelly J, Edwards E, Nicholls D, McNicholas F, Simic M, Eisler I, Ford T, Byford S. Care experiences of young people with eating disorders and their parents: qualitative study.BJPsych Open. 2019 Jan;5(1):e6.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *